segunda-feira, 19 de agosto de 2013

A origem borbulhante!

Oi gente!

É com muito prazer que eu vos apresento o senhor Carlos Roberto, Thomaz, para os conhecidos, pai, no meu caso. :) O culpado de a minha cabeça borbulhar por uma pena que cai no chão é esse cara que desde que eu me conheço por gente me incentiva a ser um ser pensante. Falando a verdade, se vocês acham que eu viajo em alguns momentos é porque vocês nunca conversaram com o meu pai para saber suas teorias filosóficas sobre o mundo.

Muitas noites quando eu era criança ia dormir tarde por ficar inventando histórias em conjunto com ele. "Era uma vez um macaco amarelo... onde ele estava?" Uma cena mais louca que a outra, um personagem mais diferente que o outro, acho que nunca chegamos ao final de uma história, eu dormia antes, mas era sempre legal pensar na última para iniciar a seguinte. Meu irmão, pai e eu tínhamos cada um o seu caderno de desenho e a cada final de semana tinha um tema novo para colorir as páginas em branco, nunca fui boa em desenho, por isso eu sempre fazia quadros "abstratos" e queria sempre que escolhessem o meu desenho como o mais bonito mesmo que ninguém o entendesse.

Domingos pela manhã você certamente nos encontraria na cancha de esportes da praça jogando basquete, vôlei e o que mais a imaginação quisesse, fiz inúmeros amigos de final de semana em função dessas partidas matutinas. Depois, era chegar em casa, tomar banho e almoçar já que após a refeição vinha outra parte legal do Domingo, brigar para não dormir a tarde, era uma luta acirrada entre pai e filhos, nós querendo impedir que ele dormisse para continuar fazendo qualquer coisa conosco e ele por sua vez, com  desejo louco pela sua "cesta". Nessa batalha valia tudo, travesseiro na cara, chinelo no traseiro e empurra-empurra pelo apartamento, lógico, sempre perdíamos para a soneca da tarde...

Essa figurinha foi a pessoa que em um mesmo dia levou-me para assistir o desenho "O Rei Leão" e quando chegamos em casa me mostrou o documentário "Vida Selvagem - savana africana" para eu conhecer as verdades da vida animal. Detalhe, eu tinha entre 4 e 5 anos e sai da sessão de cinema achando que a natureza era linda e todos os animais eram amiguinhos e comiam capim... [heheheheh...]

Quantos projetos para o futuro: ter um conjunto de cuia e bomba de ouro para tomar o melhor chimarrão; andar em um carro super moderno e rápido da cor marrom; ter uma fazenda com 95 hectares para poder construir um lugar só nosso com cavalos, lagos para pescar e amoreiras para fazer as mais variadas sobremesas gostosas. Colecionador de filmes em VHS, se você tiver um bom título esquecido em alguma gaveta não pense duas vezes, entre em contato para presenteá-lo! 

Meu pai é um grande homem, lava, cozinha, é eletricista, conserta máquinas de costura, pinta, desenha, canta, escreve, filosofa... meu pai conta várias vezes a mesma história, sempre com a mesma intensidade que da primeira vez. Meu pai escuta todas as minhas peripécias cheias de detalhes, sonha comigo meus projetos e na medida que consegue me acompanha não importa o lugar, Ilha das Flores ou Osório.



Ele sempre diz que eu não posso parar, ao mesmo tempo que sempre fala que eu preciso descansar porque nunca paro de agitar! Eu fico braba com ele, grito esperneio e ele nem as horas me dá, ainda vem com um sorrisinho manso e pergunta "deu?"... Muitas vezes um amigo, outras um irmão mais velho que rouba meus chocolates da páscoa e leva minha pasta de dente com ele. Com tudo isso ele não deixa de ser o meu papito querido, que me dá segurança e aperta minha mão sempre, eu precisando ou não.

Esse foi o primeiro ano em que eu não comprei nada para lhe dar no domingo dos pais. Parei para pensar que de alguma forma todos os dias a gente se presenteia, com afeto e companheirismo, solidariedade e dedicação. Tive uma infância supimpa com o seu Thomaz, assim como a adolescência e agora que sou uma adulta jovem (será mesmo?! heheheh) eu me alegro muito em ter esse cara do meu lado. Meu pai acredita que eu posso mudar o mundo, acho que é porque ele sabe que muda o meu a cada dia. :)   

Um comentário:

  1. Adorei o texto Bruna, suas palavras e tua imaginação são lindas!

    ResponderExcluir